Archive | December 2011

Beijo da discórdia

Vitória, 2011

A foto do beijo de homecoming (uma espécie de cerimônia tradicional de recepção dos marinheiros da US Navy) entre as oficiais Marissa Gaeta e  Citlalic Snell está repercutindo intensamente na mídia norte-americana, e, como esperado, tem atraído comentários irascíveis de todos os lados. O blog de Jim Romanesko publicou um post interessante discutindo as reações do público a uma delicada reportagem de Corinne Reilley sobre a preparação do encontro das moças e do momento histórico registrado nas fotos.

A matéria é extremamente suave e atenciosa, tratando a situação sem transformar um momento de conquista pessoal da aceitação pública em um espetáculo de chavões. As respostas, por sua vez, oscilam do apoio ao ódio vitriólico, acusando o fato de simbólico da deturpação da moral, bons costumes, instituições, honra e etc. Sem entrar no mérito de dar cartaz para discurso negador de garantias fundamentais de reconhecimento público, ambas matérias valem a pena serem lidas, são demonstrativas da importância do aprofundamento do debate público.

O beijo do homecoming – imortalizado pela fotografia de  Alfred Eisenstaedt, tirada na comemoração da capitulação do Japão, em 1945 – funciona por uma espécie de sorteio. O(A) interessado(a) compra tickets para o beijo “inaugural” do retorno, a um dólar cada, para concorrer no sorteio. Gaeta comprou 50 tickets, quantidade relativamente média. Na matéria de Reilley Gaeta chega a comentar que sabe de outros oficiais que gastaram mais de 100 dólares na mesma iniciativa, todos querendo um momento especial em seu retorno. Entre tantas pessoas, gastando muito mais, Gaeta ficou positivamente surpresa por ter sido sorteada. Talvez tenha sido ajudada por outros membros do serviço, que compraram mais tickets em seu nome. Talvez tenha sido somente sorte. De todo modo, ganha a sociedade, que com a história de Gaeta e Snell, absorve mais uma possibilidade de vida feliz.

Vitória, 1945

Advertisements